fbpx

Cardiologista orienta sobre os perigos do não tratamento da pressão alta

Compartilhar em whatsapp
Compartilhar em facebook
Compartilhar em twitter
Compartilhar em linkedin
Compartilhar em email
Cardiologista orienta sobre os perigos do não tratamento da pressão alta

Cardiologista orienta sobre os perigos do não tratamento da pressão alta

Uma das doenças mais comuns nos dias de hoje é a hipertensão arterial, ou apenas, pressão alta. É difícil não conhecer pelo menos uma pessoa que sofra com esse diagnóstico. Um dos fatores que causa essa doença é a própria genética. Contudo, mesmo podendo ser hereditário, existem outros fatores externos que podem desencadear um quadro de pressão alta, como a má alimentação, obesidade, alcoolismo e até outras comorbidades, a exemplo da apneia do sono.

De acordo com o médico cardiologista do Hospital Marieta, Luiz Augusto Garcia, a pressão é considerada alta quando temos uma média acima de 140/90 (14 por nove), já a pressão ideal é a média bastante conhecida de 120/80 (12 por oito). “É importante saber que os números da pressão alteram muito durante todo o dia devido a fatores externos como o sono, quando ela diminui, ou até mesmo o estresse, quando a pressão se eleva. Por isso, é importante estar atento para saber se o aumento foi apenas um episódio ou se a pessoa pode ser hipertensa”, afirma o cardiologista.

Ele ainda explica que os números em si da pressão não devem ser o fator principal, mas sim o que eles causam nos órgãos. “A pressão alta trará muitos problemas para seus principais órgãos como o rim, o coração, que pode levar a insuficiência cardíaca, e o cérebro, já que a pressão aumentada começa a formar pequenos aneurismas podendo levar a um Acidente Vascular Cerebral (AVC) isquêmico ou hemorrágico. Portanto, é preciso sim levar a pressão alta muito a sério, pois quando avaliamos o paciente como um todo e suas comorbidades, conseguimos ter um quadro geral e iniciar o melhor tratamento”, diz o Dr. Garcia.

Cardiologista orienta sobre os perigos do não tratamento da pressão alta

Cardiologista orienta sobre os perigos do não tratamento da pressão alta. Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial

A hipertensão é, na grande maioria das vezes, assintomática. Por isso, no dia 26 de abril, é marcado como Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial, para que as pessoas lembrem da importância de aferir sua pressão de forma regular e de procurar ajuda médica. Estima-se que 25% a 30% da população possua pressão alta, mas a grande maioria não sabe disso ou prefere não se tratar. “Quando a hipertensão é genética, é preciso que o paciente esteja sempre atento e cuidando da alimentação, mantendo a pressão na média de 12/8, ele terá uma vida normal como qualquer pessoa que não sofra da doença, agora quando é causada por fatores externos, podemos até prever uma cura, desde que esses fatores sejam retirados, como é o caso do alcoolismo e da obesidade. É muito importante ter uma alimentação saudável, praticar exercícios físicos e evitar o máximo possível o sal, já que a quantidade que usamos, é um verdadeiro perigo para nosso corpo”, finaliza o cardiologista do Hospital Marieta.

Cardiologista orienta sobre os perigos do não tratamento da pressão alta

Conteúdo enviado por Oficina das Palavras – Inteligência em Comunicação e Conteúdo (ODP Comunicação LTDA Me, CNPJ 16.757.842/0001-22). Se deseja não receber mais mensagens como esta, clique aqui e informe “retirar da lista de contatos”.

Deixe seu comentário

Cadastre seu e-mail para receber notícias

A Oficina das Palavras utiliza cookies. Eles são usados para aprimorar a sua experiência. Consulte nossa página de política de privacidade para saber mais.