Educação financeira para crianças e adolescentes

Compartilhar em whatsapp
Compartilhar em facebook
Compartilhar em twitter
Compartilhar em linkedin
Compartilhar em email
Educação financeira para crianças e adolescentes: especialista dá 4 dicas para falar sobre o assunto dentro de casa

Educação financeira para crianças e adolescentes: especialista dá 4 dicas para falar sobre o assunto dentro de casa. Plataforma de ensino do Sistema Ailos oferece cursos gratuitos sobre o tema

Muito se fala na importância da educação financeira, de saber se organizar, fazer uma reserva de emergência, entre outros pontos. E, cada vez mais, vemos adultos tentando buscar informações que não tiveram quando mais jovens – principalmente para garantir que seus filhos tenham acesso a esse tipo de conhecimento.

Para ajudar no processo de educação financeira desde cedo, a especialista da área de Educação do Sistema Ailos, Raquel Stumpf Bernardes, separou algumas dicas. Confira:

Explique a importância da educação financeira

Para que no futuro adultos não continuem tendo problemas com as finanças, é muito importante educar crianças e adolescentes sobre o tema. “Gostamos de utilizar o termo ‘bem-estar financeiro’, pois é isso que precisamos ter em mente quando ensinamos crianças. É preciso ensinar que não é sobre números, mas sobre momentos. É sobre poupar para fazer uma viagem ou comprar um brinquedo, ir ao parque e comer um algodão-doce sem se preocupar com a conta atrasada… Dessa forma, mostramos que quanto mais organização e planejamento temos, mais legais serão nossas experiências”, comenta Raquel.

Educação financeira para crianças e adolescentes? Converse sobre o assunto desde cedo

           É necessário romper com a linha de pensamento de que só é bem-educado financeiramente quem poupa ou investe. Educação financeira é sobre consciência de consumo, desperdícios e economia colaborativa, por exemplo. A partir dos quatro anos, os pequenos já ampliam suas representações de realidade, assim, já começam a ter maturidade suficiente para entender o que é dinheiro, de onde vem, como é feito e para o que serve. “Este é o ponto de partida quando o assunto é educação financeira: precisamos entender que, além do exemplo, é importante falar sobre a função social do dinheiro, e a partir daí ir trabalhando de acordo com a realidade de cada um”, diz Raquel.

Saiba por onde (e como) começar

É preciso variar os assuntos trabalhados, para tornar a educação financeira ainda mais atrativa para os filhos. “Para começar, o ideal é ensinar sobre consciência de consumo, os desperdícios e também sobre economia colaborativa. A aprendizagem acontece de forma mais efetiva quando parte do interesse da própria criança e do adolescente. Dessa forma, existem dois grandes desafios: o primeiro, e maior deles, é a atenção dos adultos, que precisam utilizar os momentos de questionamentos e curiosidade para explicar e apresentar conteúdos – sempre de forma lúdica e com linguagem acessível, proporcionando momentos de aprendizagem afetiva; o segundo desafio está na qualidade da informação que o adulto irá repassar e na experiência da própria família. Por isso, dar o exemplo dentro de casa é super importante”, pontua Raquel.

Busque conteúdos para ajudar no processo entre as dicas de Educação financeira para crianças e adolescentes

            Para ajudar as famílias nesse processo, o Sistema Ailos oferece cursos gratuitos para cooperados e comunidade através da plataforma Progrid. “Para crianças temos o Coopera Educa, que traz conteúdos sobre educação financeira e cooperativismo através de desenhos, músicas e jogos. Para os adolescentes, temos a web série R$100 Neuras, que mostra os desafios de gerir despesas e dá dicas de como administrar o dinheiro. Também temos cursos básicos que podem ser feitos por pais e professores, fazendo com que estejam mais preparados quando os questionamentos e os momentos de educação chegarem”, finaliza Raquel. 

Sobre o Ailos

Constituído em 2002, o Ailos é um Sistema de Cooperativas de Crédito e conta com mais de 1 milhão de cooperados, uma cooperativa central, 13 cooperativas singulares, mais de 200 postos de atendimento e mais de R$ 12 bilhões em ativos. Com atuação nos três estados do Sul do país, possui cerca de 4 mil colaboradores, contribuindo e promovendo o crescimento sustentável e desenvolvimento social das comunidades onde atua. As cooperativas singulares que compõem o Ailos são: Acentra, Acredicoop, Civia, Credcrea, Credelesc, Credicomin, Credifoz, Crevisc, Evolua, Transpocred, Únilos, Viacredi e Viacredi Alto Vale.

Sistema Ailos

Conteúdo enviado por Oficina das Palavras – Inteligência em Comunicação e Conteúdo (ODP Comunicação LTDA Me, CNPJ 16.757.842/0001-22). Se deseja não receber mais mensagens como esta, clique aqui e informe “retirar da lista de contatos”.

Deixe seu comentário

Cadastre seu e-mail para receber notícias

A Oficina das Palavras utiliza cookies. Eles são usados para aprimorar a sua experiência. Consulte nossa página de política de privacidade para saber mais.