fbpx

Ponto Firme ressignifica materiais de descarte com crochê e promove ação exclusiva para incentivar o handmade

Compartilhar em whatsapp
Compartilhar em facebook
Compartilhar em twitter
Compartilhar em linkedin
Compartilhar em email
Ponto Firme ressignifica materiais de descarte com crochê e promove ação exclusiva para incentivar o handmade. Coleção apresentada com a coordenação de Gustavo Silvestre explora a mistura de materiais

Ponto Firme ressignifica materiais de descarte com crochê e promove ação exclusiva para incentivar o handmade. Coleção apresentada com a coordenação de Gustavo Silvestre explora a mistura de materiais e terá divulgação de receita e gráfico durante o desfile para quem quiser confeccionar uma peça

O Ponto Firme marca a sua sexta participação no São Paulo Fashion Week. Nesta edição, detentos e egressos do projeto e alunos da Escola Ponto Firme, mulheres, pessoas trans e refugiados, sob o comando do estilista e artesão Gustavo Silvestre, se dedicaram na produção da coleção. As peças foram confeccionadas unindo o artesanal com o sustentável, apresentado a inovação no uso de materiais. O desfile está marcado para 1º de junho, no Senac Lapa Faustolo, às 17h, com uma grande novidade. Em parceria com a Círculo S/A, empresa têxtil que acompanha o projeto desde o início, será divulgada a receita com o passo a passo para confeccionar uma das peças que é destaque desta coleção do SPFW N53. O conteúdo será disponibilizado no momento do desfile neste link e nas redes sociais da Círculo S/A.

Casar a moda artesanal com a sustentabilidade é uma marca do Ponto Firme e do Gustavo Silvestre. Desde o início de projeto, o estilista sempre propôs essa conscientização e reflexão, destacando fortemente o conceito de upcycling, ou seja, uma forma criativa de reaproveitar materiais e resíduos. Além da parte ambiental, Gustavo traz consigo a mensagem social, escancarada com o projeto Ponto Firme e com a Escola Ponto Firme, que iniciou o ciclo de cursos no começo deste ano. “O Ponto Firme surgiu em 2015, a partir de uma iniciativa voluntária. Eu encontrei no crochê uma forma de ressignificar meu trabalho com a moda e a arte. Descobri que a técnica poderia ser também uma ferramenta de educação e assim tem sido desde que criamos o projeto na penitenciária, e agora, com a escola”, aponta o estilista Gustavo Silvestre.

Ponto Firme ressignifica materiais de descarte com crochê
Fotos: Daniel Sorrino

Ponto Firme ressignifica materiais de descarte com crochê e promove ação exclusiva para incentivar o handmade

Para o desfile do dia 1º de junho, Gustavo Silvestre explorou a mistura de texturas, cores e materiais. “Esta coleção mescla diferentes fios: metálicos, de algodão, fios jeans e viscose, todos da Círculo S/A, nossa parceira há tanto tempo. Além disso, há a experimentação com miçangas, correntes, materiais de descarte, sempre utilizando a técnica do crochê e a conexão entre todas as pessoas que participaram desta criação”, descreve. E para abrilhantar ainda mais a participação do Ponto Firme no SPFW e intensificar a importância do trabalho artesanal, a Círculo S/A deu suporte na elaboração da receita e gráfico de um corselet feito em crochê para que, durante o desfile, sejam disponibilizados para quem quiser seguir o passo a passo para replicar o modelo e confeccionar para si um item diretamente das passarelas do maior evento de moda do país.

“A Círculo S/A é uma grande apoiadora do Ponto Firme. Ela oferece os materiais para que os alunos da penitenciária e da escola possam aprender e se desenvolver. E quando levantamos essa possibilidade para inovar e apresentar uma oportunidade de estimular e dar mais visibilidade para o trabalho feito à mão, a marca deu todo o auxílio para que fosse possível, por meio de sua rede de artesãs especializadas que conseguem fazer a leitura das peças prontas e transformá-las em gráficos e passo a passo”, explica Silvestre.

Projeto e Escola Ponto Firme

Criado em 2015, o projeto Ponto Firme ensina para detentos da Penitenciária Desembargador Adriano Marrey, em Guarulhos, técnicas de crochê, tricô e amigurumi. Mais de 150 alunos já participaram das aulas semanais realizadas por Gustavo Silvestre e aprenderam a confeccionar itens de vestuário e decoração. No início de 2022, o estilista abriu as portas da Escola Ponto Firme, espaço inaugurado na última edição do SPFW,para o curso de crochê e artes manuais. Com a idealização da escola, o Ponto Firme, que atendia exclusivamente homens, detentos e egressos, alcança novas possibilidades de atuação, uma vez que também capacita mulheres, pessoas trans e refugiados nos cursos. 

Uma dessas realizações foi promovida pelo Ministério Público do Trabalho com o curso Faces & Sustentabilidade, ministrado por Gustavo Silvestre na Escola Ponto Firme. As aulas duraram um mês e aconteciam duas vezes por semana para dois grupos distintos: um de pessoas trans, formado em grande parte por alunas egressas do sistema prisional, e outro de pessoas refugiadas, sendo 12 aprendizes em cada turma. A iniciativa buscou proporcionar a capacitação para o trabalho decente para populações historicamente vulneráveis.

“A dignidade do trabalho é reveladora de novas habilidades e talentos, rompendo com discriminação, preconceitos, situações de trabalho escravo e de tráfico de pessoas. O Ponto Firme deseja continuar a promover a reinserção social por meio do desenvolvimento de práticas profissionalizantes, assim como o apoio e incentivo para a geração de renda através da empregabilidade e empreendedorismo”, completa o estilista. Alunos e alunas que se destacaram nos cursos, continuaram suas criações em crochê com Gustavo Silvestre e as peças desenvolvidas também fazem parte da coleção apresentada pelo Ponto Firme nesta edição do SPFW.

As aulas dentro da Penitenciária Desembargador Adriano Marrey, em Guarulhos, também continuam semanalmente e muitas peças criadas pelos alunos também serão apresentadas no desfile. “Um dos destaques é a mini bolsa que foi criada em crochê por um dos alunos detentos a partir de saco de arroz descartado, miçangas reaproveitadas e fio Susi da Círculo S/A. A peça reforça o compromisso do projeto com a sustentabilidade e inovação no uso de materiais”, revela Silvestre. Participantes egressos que já faziam parte do Ponto Firme também terão peças ou componentes em crochê apresentados no desfile. Ao todo, são 30 pessoas envolvidas na criação desta coleção, entre refugiados, pessoas trans, detentos, egressos e costureiras.

Ponto Firme ressignifica materiais de descarte com crochê
Fotos: Daniel Sorrino

Ponto Firme ressignifica materiais de descarte com crochê e promove ação exclusiva para incentivar o handmade

Círculo S/A

A empresa é a maior fabricante de fios para trabalhos manuais da América Latina e desenvolve produtos e acessórios para artesanato. Há 84 anos no mercado, exporta para mais de 40 países e é a marca com maior atuação do segmento no país. Conta com mais de 500 produtos em seu mix e, através do Time de Artesãos, que soma 14 profissionais, oferece suporte na educação e profissionalização do artesanato, com workshops em todo o Brasil, além de estimular quem pratica o trabalho manual como hobby, oferecendo e-books gratuitos, aplicativo próprio e publicações especializadas em tricô, crochê, amigurumi e bordado.

Crédito das fotos: Danilo Sorrino

Conteúdo enviado por Oficina das Palavras – Inteligência em Comunicação e Conteúdo (ODP Comunicação LTDA Me, CNPJ 16.757.842/0001-22). Se deseja não receber mais mensagens como esta, clique aqui e informe “retirar da lista de contatos”.

Deixe seu comentário

Cadastre seu e-mail para receber notícias

A Oficina das Palavras utiliza cookies. Eles são usados para aprimorar a sua experiência. Consulte nossa página de política de privacidade para saber mais.